Entrega de documentos referente ao salário família

Salário família 2019

A legislação trabalhista garante a empregada (o) doméstica (o) o recebimento mensal do salário-família para os filhos menores de 14 anos e de qualquer idade desde que sejam deficientes.
Para que a empregada (o) doméstica (o) tenha direito a receber este benefício é necessário cumprir alguns requisitos; por exemplo; entregar ao empregador doméstico, comprovante de frequência à escola referente as crianças a partir de 07 (sete anos) de idade.

Se o menor de idade for inválido e não frequentar a escola devido a sua situação de invalidez, o responsável, empregada (o) doméstica (o) deve apresentar um atestado que comprove esta impossibilidade.

Deve ser apresentado também a comprovação de frequência escolar ao empregador doméstico, emitido pela escola em nome do aluno matriculado e neste documento deve constar claramente a frequência regular ou atestado da escola, que comprove a regularidade da matrícula.

Os documentos acima devem serem entregues ao empregador até o final do mês de Novembro de 2019.

A partir da Reforma da Previdência emenda Constitucional 103/2019 – de 12 de novembro de 2019 o valor da cota de salário-família por filho foi alterada. Passou a ser única e cujo valor é de R$ 46,54 (quarenta e seis reais e cinquenta e quatro centavos) mensais por filho menor de 14 anos e de qualquer idade se for deficiente, desde que o salário bruto ou remuneração do empregado seja limitada a R$ 1.364,43 ( Hum mil, trezentos e sessenta e quatro reais e quarenta e três centavos).

Portanto os empregadores domésticos devem ficar atentos a esta alteração no mês de novembro de 2019 e este valor deve constar na folha de pagamento do mês de Novembro de 2019 a ser paga até o quinto dia útil do mês de dezembro.de 2019.

Antes desta emenda Constitucional, mais precisamente até o mês de outubro de 2019 a tabela deste benefício era a seguinte;

a-Para os empregados que recebiam até o valor de R$ 907,77 (novecentos e sete reais e setenta e sete centavos) mensais de salário ou remuneração, o valor da cota de salário-família era de R$ 46,54 ( quarenta e seis reais e cinquenta e quatro centavos).

b-Já os empregados que recebiam salário ou remuneração igual ou superior a R$ 907,78 (novecentos e sete reais e setenta e oito centavos) á R$ 1.364,43 ( hum mil, trezentos e sessenta e quatro reais e quarenta e três centavos), o valor do salário-família era de R$ 32,80 ( trinta e dois reais e oitenta centavos) por cota.

Informo que o empregador ele simplesmente repassa o valor do salário-família para o empregado, não é ele quem paga este benefício, quando a guia de recolhimento do INSS é calculada, o valor da cota de salário-família paga ao trabalhador é descontado. Em outras palavras a fonte pagadora do salário-família é o INSS.

Existe dúvidas em relação ao recebimento do salário-família se o pai e a mãe tem direito do recebimento deste benefício ao mesmo tempo, quando os dois trabalham registrados e preenchem os requisitos. Na verdade desde que os dois pai e mãe preencham os requisitos ambos tem direito a receber este benefício referente a um filho ou filhos.Não existe carência para recebimento deste benefício.

No caso da empregada (o) doméstica (o) com a Lei complementar 150/2015 desde que seja preenchido os requisitos todos tem direito a este recebimento.

José Carlos
administrator
José Carlos do Nascimento, brasileiro, casado, pastor, teólogo, assistente Jurídico, Jornalista, blogueiro, com formação em arbitragem e mediação trabalhista, Perícia Judicial e Assistência Técnica, fundador e presidente da Ong Instituto Brasil Doméstico Cidadão (Ibradoc), criador dos sites: www.ibradoc.org.br ,www.domesticocidadao.com.br e www.direitostrabalhistas.net José Carlos do Nascimento, nasceu na cidade de Álvares Machado - Estado de São Paulo, filho de uma costureira, pai desconhecido, foi criado até os 6 anos de idade pela mãe, depois pela avó materna, dois tios e duas tias. A maioria das mulheres da família exerceram a função de empregadas domésticas, para ajudar no sustento da família.José Carlos durante a sua infância exerceu diversas atividades, desde os 8 anos de idade, como trabalhador rural (popularmente chamado de boia fria ) nas colheitas de amendoim, algodão, plantio de mudas de café. Trabalhou também como pedreiro, carpinteiro, empregado doméstico, departamento pessoal e RH de empresas e escritórios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *